© Jorge das Neves

© Jorge das Neves

Mary Beth Edelson

Figura central no movimento feminista da década de 1970, Mary Beth Edelsen desenvolve uma prática ritualística performativa centrada no seu corpo (nu) e no desejo de associar o corpo feminino à imagética e energia das deusas da antiguidade. Escreveu a artista: «Para mim, “deusa” foi sempre uma metáfora de mudança radical, e de mudança de consciência e questionamento da experiência quotidiana, do que são considerados códigos sociais aceitáveis, mas também uma abertura para outras dimensões da experiência. Esta espiritualidade invadiu uma área que na cultura ocidental fora anteriormente um território masculino; e, por isso, esta ação constitui em si e por si própria um gesto profundamente político contra a patriarquia e a favor da libertação espiritual, cujas ramificações continuam ainda a desenrolar-se.»